2 de julho de 2016

Série : Gotham


Sinopse da SérieAntes de Batman, a cidade de Gotham já existia. James Gordon (Ben McKenzie) é um detetive iniciante polícia. Corajoso, sincero e ansioso para mostrar serviço, o recém-promovido tem como missão solucionar o caso do assassinato dos bilionários Thomas e Martha Wayne, um dos casos mais complexos da cidade. Com seu parceiro, o oficial Harvey Bullock (Donal Logue), Gordon conhece o único sobrevivente do assassinato: Bruce (David Mazuouz), um garoto de 12 anos, filho do casal, por quem ele imediatamente sente uma grande afeição.
SANTOS RAIOS DUPLOS, BATMAN!

Se você, assim como eu, acha o Batman “o cara”, deve ter ficado meio na dúvida com a ideia de lançarem uma série chamada Gotham. Pois, é. Como spoiler, só te digo que este temor se mostrou infundado. Não nas tentativas e remakes tristes que lotam o mercado cinematográfico, mas porque Gothamé muito boa, mesmo!!!

Assim como o nome sugere, a série conta, através do detetive James Gordon, a história de uma cidade mergulhada em corrupção e crime, anos antes dele virar comissário e, mais anos antes ainda, do Batman surgir. E talvez seja este o grande segredo da série, contextualizar o que criou a necessidade de um super-herói. Para quem gosta de Batman, isso vem no pacote de todas as versões do personagem. Em Gotham, como a cidade é a grande protagonista, isto é destrinchado até revirar o estômago.

A primeira temporada é mais tranquila, porque apresenta os personagens envolvidos, o drama do menino Bruce Wayne (David Mazouz), que tem seus pais assassinados e um James Gordon (Ben McKenzie, que fazia The O. C., uma das séries mais legais que já existiram) bom policial, que entra na Força com a fé de que é possível não ser contaminado pela podridão do sistema. É neste momento que conhecemos seu parceiro Harvey Bullock (Donal Logue, que sempre foi subestimado em outras produções e aqui é responsável pelos momentos mais hilários da trama), a poderosa Fish Mooney (Jada Pinkett Smith), a única mulher a se arriscar entre a ganância masculina e disputar o poder de igual pra igual e, Oswald Cobblepot (Robin Lord Taylor), um cara esquisito e ardiloso, que não gosta de ser chamado de Pinguim. No final desta mesma temporada chega a Dra. Lee Thompkins (Morena Baccarin, a brasileira que interpretou a Mulher Maravilha), a única pessoa da história que representa a sanidade, de fato, e que paga o preço constante por essa escolha.

Na segunda temporada, a série dá uma reviravolta. Mesmo sendo discretamente anunciada na temporada anterior, a coisa piora; e veja que eu disse “a coisa”, não “a série”. A história entra num ritmo vertiginoso quando Dom Falcone (John Doman), a única pessoa que mantinha o poder sob controle, pois todos os criminosos o respeitavam, é justamente retirado de seu posto. A partir disso, todas as loucuras são liberadas, todos os crimes são permitidos, todas as pessoas enlouquecem e surgem as criaturas e situações mais bizarras possíveis, afundando de vez uma cidade que não tem tempo mais nem de respirar; uma cidade tão insana que faz parecer que Arkham é o melhor e mais seguro lugar para se estar.

Cheia de referências, como o próprio Tim Burton, O Exterminador do FuturoLaranja MecânicaSherlock e até Anne Rice, a grande surpresa da série atende pelo nome de Alfred Pennyworth (Sean Pertwee). Porque seria impossível o surgimento de Batman se o mordomo de Bruce Wayne fosse apenas um inglês de bons modos!

Conduzida com maestria por Bruno Heller (o mesmo que produziu The Mentalist), Gotham é uma série sensacional, que vale à pena ser vista, mesmo que você goste só um pouquinho de Batman.

Nenhum comentário:

Postar um comentário